Dar ao pedal.

scott jamor

Scott Spark 710, de 2015.

Faço isso. Dou ao pedal. Mas faço em dois modos: fora de estrada (vulgo btt); em cidade (numa single speed). E, por estes dois motivos, tenho duas bicicletas diferentes: uma Scott Spark 710, de 2015, roda 27,5″ (que me custou os olhos da cara, mesmo em 2ª mão); e uma bicicleta sem mudanças (daí a denominação single speed) de uma marca portuguesa, a Eleven.

A razão das bicicletas? Ser puto de novo, sentir o vento nas trombas, num sorriso palerma. Mas agora com capacete (É ESSENCIAL) e outras porras que por vezes parecem matar o gozo de pedalar: suspensões, quadro em carbono, transmissão XPTO, etc., mas isto na bike de btt. A outra — a fininha, como lhe chamo, por causa dos pneus finos — aproxima-se mais do conceito primordial de pedalar: liberdade!

Mas andar de bicicleta deixa marcas. Anda me recordo do tralho que dei aos 14 anos, numa Vilar Catita amarela. Fiquei todo raspado, mesmo sem partir nada. Não foi catita. E agora, depois dos 50 anos bem feitos, já parti um dedo e ontem dei um belo estalo numa prova de btt em Monsanto. Choro mais os danos na bicicleta do que no meu joelho deitado abaixo. Ossos deste gosto que se pode tornar um vício.

Irei voltar em breve aos pedais. Até lá façam o gosto às pernas. Pelo menos uma vez por semana, tal como outras actividades que se recomendam…

One thought on “Dar ao pedal.

  1. Pingback: Pedalar ou não pedalar, eis a questão... - MARCA DE HOMEM

Leave a Reply