Nas férias meti-me em Sarilhos.

Sim, mas foram Sarilhos Pequenos, ali para o lados da Moita, à beirinha dos baixios do Estuário do Tejo. Há uma enseada que dá porto a um estaleiro naval para pequenas embarcações, havendo por perto uma associação naval: a Associação Naval Sarilhense. É um sítio calmo e com uma certa aura de nostalgia. Não sei se é um sarilho para entrar lá ou não. Calculo que não. Mas, já agora, sabem o que é um sarilho? Pelos vistos há muitos, uns maiores, outros mais pequenos. Vamos ao dicionário priberam:

sa·ri·lho 

substantivo masculino

1. Espécie de dobadoura em que se enrolam os fios das maçarocas para fazer meadas.

2. Movimento rotativo do corpo em volta do trapézio.

3. Movimento rotativo imprimido a pau ou espada.

4. Máquina em que se enrola a cordacabo ou cadeia do cabrestante ou das máquinas análogas.

5. Disposição de espingardas em feixe.

6. [Informal]  Barulhobriga.

7. Confusão.

8. Intrigamexerico.

9. [Brasil]  Engenho para tirar água.

andar num sarilho
• Não pararandar numa roda-viva.

“sarilho”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/dlpo/sarilho [consultado em 31-08-2018].

Por falar em sarilhos, antes de me ter metido neles (mas nos pequenos, como já disse) andei ao longo da praia do Gaio-Rosário. Andar com os pés dentro da água escura do Tejo (pelos vistos agora menos poluído) é algo que pode não ser muito apelativo, mas sempre dá se apanhar outros banhos, os de sol.

Passei ao lado da largada de touros na praia. Lá está, quis evitar sarilhos, mas dos grandes!

Até ao próximo post, desta vez sem sarilhos de espécie nenhuma, mas sempre a descobrir um Portugal desconhecido que espera por nós.

Sempre a direito até às tortas de Azeitão.

Em Agosto gozei 5 dias de férias. Pareceram mais, tal como me disse um amigo. Mais vale pouco mas bons do que muitos e chochos. Os dias. De férias.

Num desses dias aproveitei para ir até Azeitão. Acho que nunca tinha lá parado, só mesmo de passagem. A minha doce guia levou-me até às tortas de Azeitão. “Vais comer as melhores”, garantiu-me. “É no Café S. Lourenço“.

O sítio não tem nada de especial, sem pontinha de charme, mas as tortas são boas, admito. A minha namorada explicou-me o porquê, mas confesso que não registei mas acho que tem a ver com o processo de fabrico e com a utilização dos ovos, sei lá bem, estava de férias, não registei tudo…

A vila é bonita e tem lojas e edifícios com muito charme, tal como a Casa Museu (com loja de vinhos) José Maria da Fonseca, só para fazer pirraças à Bacalhôa, que está às bordas da povoação, mas ninguém se chateia porque há lugar para as duas.

E às duas por três, num outro dia, rumámos a outras paragens. Deixo aqui uma foto de aperitivo:

E agora Azeitão em modo drone:

Sul à vista! (muito mais em breve)

Capitã de Mar e Rio.JPG

Capitã de Mar e Rio. Em Sarilhos Pequenos.

Infelizmente tem sobrado pouco tempo para postar aqui qualquer coisita. Tenho andado às casas. Mas arranjaram-se uns dias de férias e lazer por terras do Sul (Azeitão, Barreiro, Setúbal, Estuário do Sado, Comporta, Alcácer do Sal…). Em breve (conto eu), 2 ou 3 posts sobre essas paragens.

Até lá, vai uma receita de tortas de Azeitão?

Gin ao Verão!

Gin Tanqueray Rangpur

Gin Tanqueray Rangpur, uma refrescante relação preço/qualidade.

Dim sim ao Verão! Neste caso, diz Gin ao Verão. É fresco, elegante, sexy, colorido, delicioso. Mas, cuidado. Dá umas ressacas filhas da mãe.

Obviamente que para evitar as ressacas, e porque o Gin não é para ser bebido à tripa forra, sem uma água tónica, gelo e botânicos, é essencial saber preparar e servir esta bebida.

Ora sirvam-se já deste vídeo porque não me apetece gastar muito o meu latim:

Porque é que o Gin se bebe tónico? Isto é, com água tónica. Eis um bocado de história, em inglês:

The cocktail was introduced by the army of the British East India Company in India. In India and other tropical regions, malaria was a persistent problem. In the 1700s it was discovered by Scottish doctor George Cleghorn that quinine could be used to prevent and treat the disease.[18] The quinine was drunk in tonic water, however the bitter taste was unpleasant.[18] British officers in India in the early 19th century took to adding a mixture of water, sugar, lime and gin to the quinine in order to make the drink more palatable, thus gin and tonic was born.[19] Soldiers in India were already given a gin ration, and the sweet concoction made sense.[20] Since it is no longer used as an antimalarial, tonic water today contains much less quinine, is usually sweetened, and is consequently much less bitter.[21]

Gin and tonic is a popular cocktail during the summer.[22] A 2004 study found that after 12 hours, “considerable quantities (500 to 1,000 ml) of tonic water may, for a short period of time, lead to quinine plasma levels at the lower limit of therapeutic efficacy and may, in fact, cause transitory suppression of parasites”. This method of consumption of quinine was impractical for malaria prophylaxis, as the amount of drug needed “can not be maintained with even large amounts of tonic”. The authors conclude that it is not an effective form of treatment for malaria.[23]

Portanto, a malária esteve por trás disto tudo, a sacana.

Repararam que falei de botânicos. What the fuck is that?, perguntam alguns. Botânicos são todos os ingredientes de origem vegetal que se podem introduzir na preparação de um Gin tónico.

Eis uma foto elucidativa:

E agora? Agora não sejam preguiçosos como eu fui com os textos deste post (é por ser Agosto) e preparem um (ou vários) Gins à (vossa) maneira. Deliciem-se mas, pelo sim, pelo não tenham Guronsan sempre à mão.

Termino com um exemplo meu. Vejam se adivinham os botânicos que pus…

Gin made by myself

Gin preparado por mim. Foto do meu instagram.

Sempre em construção.

Ao longo da vida estamos sempre em construção, tentando ter boas infra-estruturas para depois o edifício não abanar quando estiver a crescer. Ou quando tiver terminado, sem medo das borrascas mais intensas. Mas elas acontecem, e por vezes tudo abana. Importa é que a construção fique de pé, tapando-se as rachas e as fissuras que ficaram como provas das intempéries.

Tal como na natureza, também na vida há ventos e ventos. Os que hoje parecem ser adversos amanhã podem ser favoráveis. E vice-versa. Por vezes é tudo uma questão de momento. Mas quase tudo tem a sua lógica mesmo que por vezes se opte com o coração. Ou será o contrário? Primeiro vem o instinto e a seguir é que damos uma lógica a isso? Lá está, é como o vento, como as correntes. Como a vida. Sempre em permanente movimento e (des)construção.

E, como se diz metaforicamente, quando se fecha uma porta, abre-se uma janela. Ou outra porta. É entrar, por favor.

PS: este post teve a participação da Homebook e de dois dos seus imóveis (ver aqui e aqui). As fantásticas fotos são da Sara Ferreira.

Super Bock e o caso de um rótulo raro.

Era uma vez uma festa de Verão, numa noite com mais de 30 graus C, na zona de Belém/Ajuda, perto da Igreja da Memória. Eu destilava. Todos destilávamos. Por isso, bebíamos. Água (com e sem gás), refrigerantes, sumos, vinho branco e cerveja, muita. Duas marcas apenas (sim, as mais comuns e mais baratas). De repente, entre as dezenas de garrafas à disposição houve uma que se destacou.

Super Bock mini (há alguma coisa estranha?)

Super Bock mini (há alguma coisa estranha?).

Era apenas uma garrafa de uma Super Bock mini 20 cl, coisa pouca. Mas, ao olhar, algo inusitado captou a nossa atenção: o rótulo! Até podia ser uma edição especial. Não creio. Deve ter sido uma série de rótulos que escapou à triagem da sua produção e consequente impressão. Mas a mim não me faz impressão nenhuma. Até é engraçado. Tanto assim é que eu trouxe a garrafa e irei guardá-la. Nunca se sabe, algum coleccionador pode interessar-se por ela e, num acto compulsivo, oferecer-me uma pipa de massa por esta raridade. Ok, estou a sonhar (ou terei bebido de mais) mas tinha piada, lá isso tinha.

Agora eis a mesma garrafa mas com o rótulo em crescendo de ampliação:

De qualquer das formas, o melhor da festa foi mesmo o convívio com os amigos. E isso, não sendo raro (felizmente), é o que realmente importa.

Brindemos a isso, com ou sem rótulos raros.

2hot 2handle? Get a sun protection.

Protectores Solares Garnier

Garnier Ambre Solaire protectores solares 50+. Duas versões: formato poupança e crianças.

Está um calor que não se pode. O conveniente é ficar à sombra ou no ar condicionado (para mim só em último caso), beber muitos líquidos (água, de preferência). Quem se atreve ao Sol, e para os clarinhos como eu, é essencial aplicar um protector solar, mas daqueles bons e com um elevado SPF (sun protection factor, isto para ser mais fino).

Alguns especialistas dizem que não há grande diferença entre um SPF 15, 30 e 50+ mas nunca fiando. Eu uso 50+ porque não vou cá em facilitismos. E uso também um baton protector para os lábios, pois o sol dá cabo deles e sou muito propenso a herpes labial.

Ok, vão lá aproveitar o Sol e dar uns belos mergulhos, mas o Sol é com parcimónia e os mergulhos não (só se forem doidos suficientes para mergulharem numa banheira, algo que desaconselho).

Enjoy the sun! Mas com a devida protecção…

E agora um vídeo com uma canção quente e brilhante:

Mas que tem o respectivo antídoto: