A Itália é rainha nas Caldas.

Restaurante Sabores d’Itália. Nas Caldas da Rainha.

Por ocasião de um evento familiar, há uma semana e meia parte da família Barão da Cunha rumou até às Caldas da Rainha. O pretexto não foram as termas, nem a loiça maliciosamente característica.

A razão foi gastronómica e chama-se Sabores d’Itália, talvez um dos melhores restaurantes de inspiração transalpina no território luso.

Senhoras e senhores, o menu.

Não tivemos direito a entradas, por um motivo: o pão, a manteiga e o azeite são muito saborosos e não quisemos encher muito o bandulho antes dos pratos principais.

Eu atirei-me a uma lasanha de camarão e tamboril. O meu pai a um risotto, o meu irmão a uns tortelloni, e a minha mãe e a minha cunhada atacaram de garfo em riste uns gnocchi. Escusado será dizer que os pratos ficaram vazios (bem, a minha cunhada não comeu tudo porque já estava cheia, mas levou o que sobrou dos tortelloni, que, aposto, foram o almoço do meu irmão no dia seguinte).

A refeição foi acompanhada por um bom vinho branco — escolha do meu pai, como não podia deixa de ser — (mas esqueci-me do nome).  E seguiram-se as sobremesas. Só vou falar da minha (infelizmente não provei as outras), mas sei que foi um gelado com moscatel. Mas não me façam muitas perguntas! E não é um desleixo de crónica. Apenas saboreei bons momentos com as pessoas que mais gosto e isso é que é importante (só faltou uma pessoa…). Obviamente que tudo foi ampliado com a qualidade do restaurante, que é um espaço moderno e elegante mas acolhedor.

E, se quiserem saber mais, têm bom remédio: vão até às Caldas, não se metam nas termas, nem na loiça. Falo por mim. Eu apenas fui aos Sabores d’Itália.

Miam, bom apetite!

E agora tomem lá um vídeo com a loiça Bordallo Pinheiro:

A fúria do ramen.

Um sábado destes, depois de ter saído de um concerto na Gulbenkian, e sem saber onde ir jantar (não me estava nada apetecer enfiar-me num restaurante de fastfood), entrei no Afuri, um restaurante muito perto do Teatro Nacional de São Carlos.

Não é um restaurante qualquer. É um espaço descontraído mas elegante, onde se degusta o ramen, uma das últimas fúrias gastronómicas desta Lisboa tão movida. A noite estava fresca e eu desasado, logo uma sopa (ok, o ramen é mais do que uma sopa) muito substancial e aconchegante vinha mesmo a calhar.

Marchou uma entrada (que fez as vezes do couvert): Namba-Zuke (mix de peixe finamente frito com juliana de legumes em sunomono). Seguiu-se o ramen propriamente dito. A escolha foi o Asari Shoyo (caldo de galinha e amêijoa, molho de soja, amêijoas da nossa costa, cebolo, alho francês, cha-shu e jam de trufa negra).  Estava muito quentinho e saboroso, com uma fatia de carne de porco e uma saborosa massa. Mas o caldo é imperdível! Acompanhei com uma Afuri Lager, aparentemente uma cerveja artesanal feita para o restaurante. Terminei com uma sobremesa: Trufas de Chocolate e Sésamo (ou não fosse eu doido por chocolate).

Soube-me bem e ajudou a ter um final de noite mais reconfortante. Sim, porque a música e a comida aconchegam que é uma maravilha.

E agora ramen (vídeo com um final parvo) e música (o guitarrista que vi no Concerto de Aranjuez, na Gulbenkian):

É boss a marcar.

É preciso sublinhar isto: quando é para realçar uma palavra ou uma frase não há nada como um marcador Stabilo Boss Original. São úteis, adaptam-se bem a qualquer mão, têm um design bem cool, e, no meu caso, gramo à brava o som viciante quando se fecha a tampa (eu passo a vida a abrir e fechar o raio do meu marcador verde).

Na foto o Stabilo Boss está em boa companhia. Tem sempre por perto uma Parker Jotter (já falei dela aqui). É uma dupla imbatível. A caneta escreve e rabisca, o marcador destaca o que é mais importante e urgente.  E eu fico mais contente.

E eis um vídeo marcante:

Khruangbin voa alto e bom som.

São americanos. De Houston, Texas. São 3. E têm um grande som. São uma banda essencialmente instrumental e peculiar: o baterista é um metrónomo estático mas muito preciso; a baixista é eficiente e sexy como o raio; o guitarrista é um fenómeno de virtuosismo, sem ser espalhafatoso. Dois deles usam perucas (há uma razão para isso). As influências sonoras vêm de muitos lados. Khruangbin. O nome é estranho. Quer dizer engenho voador, em tailandês. Enfim, um avião. É embarcar, ver e ouvir. Enjoy.

Welcome home.

A placa da casa é da Homebook.

Já todos nós, pelo menos uma vez na vida, andámos à procura de casa. Ou a ver se nos livramos dela. Ou as duas coisas ao mesmo tempo. E a gaita é que geralmente não sabemos a que porta bater no momento em que nos viramos para o mercado do casario e afins.

Evoluímos bastante desde os tempos imemoriais em que nos abrigávamos em grutas. Mas o princípio é o mesmo: precisamos de um tecto para nos abrigarmos do frio, do vento, da chuva. E, nesse maior aconchego, aposto que a taxa de natalidade começou a aumentar.  Não há nada como o conforto de um bom calor para tirar a roupa e aumentar a prole.

Ok, estou a ser básico. Eu sei, sou homem. Mas não das cavernas. Sei apreciar uma boa casa. Ou ver os defeitos em cada esquina. “Ai o bolor”; “Merda de infiltração”; “Que porra, não se apanha sol neste quarto”. É o que se diz, ou pelo menos é o que se pensa, quando entramos num apartamento gasto pelos anos ou que foi menos abonado na qualidade da sua construção e materiais. Mas, como em tudo, para se ter uma gruta melhor (perdão, casa) há que ter uma carteira mais recheada. Ou um banco mais generoso.

E onde descobrir boas casas? Não digo. Num instante sei que irão bater à porta certa. Welcome!

E agora tomem lá uma casota minimal, sem plástico: