É de mestre.

Por ocasião da visita a Lisboa de uma grande amiga minha (my music soul sister), e depois de uma ida a uma exposição de arquitectura e agricultura no CCB, foi-me dada a incumbência da escolha de um restaurante. Eu sugeri o Mestrias, a minha amiga reservou-o com antecedência pelo The Fork. E lá fomos nós, eu pela 2ª vez, a um restaurante que já foi referenciado pelo meu pai variadas vezes.

[O engraçado é que a 1ª vez que lá fui também estava acompanhado com outras duas das minhas grandes amigas. A sorte que eu tenho, amigas tão fixes e todas foram aos Mestrias. É de mestre!]

É mais uma tasca fina? É. E não é.

É fina porque tem um encanto descontraído e que casa bem com aquela zona de Lisboa — a Ajuda, junto à Igreja da Memória. Gosto da decoração e da esplanada tão agradável, nas noites mais quentes. E gosto da comida, obviamente, com influências variadas, mas um toque mais ou menos galego (digo eu). Comida que pode ser apreciada em pequenas doses, para partilhar, ou em doses individuais mais robustas, que ainda não provei.

Não é uma tasca fina porque, de uma forma interessante, preserva algumas receitas mais típicas mas dá-lhes uma abordagem ainda mais saborosa, sem cair em pretensões armadas ao pingarelho.

É para voltar de novo? Claro que é! De preferência em boa companhia. As minhas 3 amigas, por exemplo. Uma eventual e futura namorada bem pode esperar…

E agora um vídeo sobre a gastronomia galega:

Leave a Reply