Pedalar ou não pedalar, eis a questão…

Desde Outubro que não faço uma das coisas que mais gosto: pedalar uma bicicleta de montanha (btt). As razões são simples: rebentei um joelho e passados 15 dias parti um cotovelo. Estive parado cerca de 6 meses (em 2016 também encostei as bicicletas durante 6 meses por ter partido um dedo, a praticar… btt). Regressei … Continue reading Pedalar ou não pedalar, eis a questão…

Dor de cotovelo.

Tenho mais de 50 anos. Não posso partir mais ossos. Mas ainda tenho vontade de muita adrenalina. Como conciliar isto sem ficar com dor de cotovelo? Encontrei a solução na Decathlon, com um cartão que as minhas amigas e amigos me ofereceram no meu último aniversário. Encostas acima não são necessários estes artefactos. Mas quando … Continue reading Dor de cotovelo.

Uma questão de peso.

É mais do que sabido que a prática de um exercício físico regular e com algum método é essencial para um bom estado de espírito. Sim, fazer desporto é muito mais do que trabalhar para se ter um corpo mais engraçado ou em forma. Há quem ainda não saiba, mas o exercício físico faz muito … Continue reading Uma questão de peso.

Casa às costas.

Nunca fui muito de campismo. Mas, muitas vezes, ando de mochila, seja por razões profissionais, seja por motivos de lazer. Se, por vezes, trabalhar pode ser um fardo, agora ainda é mais! Eu explico: a minha mochila IKEA anda carregada que nem uma mula: 1 portátil, 2 pares de óculos, carteira, porta-moedas, porta-chaves, bloco de … Continue reading Casa às costas.

Sou um camelo.

Faço BTT, acho que já disse (em inglês é mountain biking). Faço a modalidade cross country (ou XC), mas já com um cheirinho de trail riding. Sim, é só palavreado hermético, estrangeirado e algo pretensioso, eu sei. E porque sou um camelo? Porque levo às costas uma mochila técnica Camelbak. O modelo é Lobo. Para … Continue reading Sou um camelo.

Dar ao pedal.

Faço isso. Dou ao pedal. Mas faço em dois modos: fora de estrada (vulgo btt); em cidade (numa single speed). E, por estes dois motivos, tenho duas bicicletas diferentes: uma Scott Spark 710, de 2015, roda 27,5″ (que me custou os olhos da cara, mesmo em 2ª mão); e uma bicicleta sem mudanças (daí a denominação single … Continue reading Dar ao pedal.

O que vem à rede.

  Um tipo precisa de se alimentar. E eu sei cuidar bem de mim. Felizmente já não enfardo tanto. Muito pelo contrário. Tenho comido muitas saladas e afins. O resultado é bom: menos 6 quilos em 4 meses. Este regime é acompanhado com BTT, caminhadas, bodyboard e ginásio em casa (abdominais numa esteira Ferrino e … Continue reading O que vem à rede.