Tentações em tempos de clausura.

É bem provável que durante este período de clausura muitos de nós possamos ficar diabéticos ou hipertensos, tantas são as vezes que vamos à cozinha, ao frigorífico e à despensa. É um snack agora, uma bolacha 5 minutos depois, e uma hora volvida vai uma mini ou um iogurte. Ou um refrigerante. E depois umas batatas fritas e logo de seguida mais um sweet qualquer. Serão só tormentos para a nossa linha.

A foto mostra uma dessas tentações: uma tablete de chocolate preto (ou negro, como quiserem chamar, não se está a insultar ninguém). É da Nestlé. E está ali ao pé (até ver), no frigorífico. Assim é mais fresquinho, menos enjoativo, mas sempre tentador. Raios partam, lá vou eu de novo buscá-lo! Pronto, vou ficar com mais peso. No corpo e na consciência. Que se lixe. É para se esquecer o vírus com doçuras e salgadinhos.

Ok, e agora tomem um vídeo com exercícios físicos que se podem fazer em casa. Urgentemente!

Um par de rodinhas está a caminho?

Gira e muito flexível.

Tenho duas bicicletas. Uma de montanha, outra de cidade, sem mudanças. Já falei delas aqui. Talvez porque vou mudar de cidade e ter uma nova rotina de vida, de repente dei comigo a pensar que podia ser interessante ter outra bicicleta, e bem diferente das que já tenho, porque é desdobrável!

Uma Brompton! Para estar na minha nova casa, para conhecer a nova cidade, para andar com ela em Lisboa. Ou onde eu quiser. E que facilmente se leva para todo o lado. E que ainda por cima é gira, cool e tão flexível. Tal como um gajo gosta (ok, piadinha sexista, eu sei).

É só um pensamento mas pode ser que tenha rodas (mesmo que pequenas) para andar.

E agora mais uns vídeos sobre esta menina, que por acaso também é muito hipster.

Semente na planta dos pés.

É mais conhecida como uma marca de pranchas de surf. Mas também tem (ou teve) artigos mais vocacionados para a terra do que para o mar.

Chama-se Semente. Criada em território nacional, anda a bombar desde 1982!

O mais curioso é que já há uns bons anos (acho que mais de 10) eu tenho uma botas desta marca. Não sei se ainda as produzem, mas com um bom tratamento de sebo ou produto similar, não há chuva que entre nelas. Para além de que são confortáveis e dão um andar cool.

E agora um filme sobre a produção das pranchas:

Bodyboard em modo centrifugação.

Há um par de anos decidi-me meter no bodyboard. Sempre gostei de mar, e em novo era destemido e arrojado nas ondas. No Fear! Por culpa minha, pratiquei pouco este desporto nos últimos tempos. Duas quedas em btt e correspondentes ossos partidos arredaram-me da arrebentação. Mas eis que há uns dias decidi sacudir o pó ao fato e à prancha e fiz-me ao swell em Carcavelos. Foi humilhante! As ondas e a rebentação estavam mais fortes do que eu supus…

Ao apanhar a primeira onda, lá do alto dela, acagacei-me e abortei a viagem. Mas foi um desastre! Fui sugado pela sacanita e automaticamente entrei em modo centrifugação. Não bati no chão nem me magoei mas perdi logo os earplugs (mais umas merdas de plástico no oceano, GRRRRRRR), tais foram as voltas que dei na enxurrada.

Conclusão: resolvi sair, sentar-me na areia e desfrutar do sol magnífico do final de tarde. E sem frio, porque com o meu fato 4/3 não há brisa que me arrefeça. A única coisa que arrefeceu foi o meu ânimo, mas hei-de lá voltar! E ainda por cima, com a água mais fria, tenho de experimentar o gorro de surf, as luvas e as “botas” para os pés (é ver a ver a foto para perceber melhor).

O equipamento eu tenho. Agora só me falta é mais jeitinho.

Há mais de bodyboard e afins neste blog. Aqui e aqui.

E agora um fantástico vídeo de meter medo a Neptuno:

Diz-me com quem andas…

Também o calçado pode definir uma pessoa e aquilo que ela faz. Mas as coisas nem sempre são lineares. Por exemplo, ultimamente tenho andado bastante com as sapatilhas das fotos. Como é que isso me pode definir? Sou praticante de desporto? Sou antes um fashion guy que gosta de exibir uns ténis à maneira? Ou caminho muito e isto é do mais confortável que há? É tudo isso.

De facto, nos dias que correm (olha o trocadilho…) ando que me farto, colina abaixo, colina acima, em Lisboa. Não me estou a queixar, antes pelo contrário. O que é que eu faço? É semi-segredo mas estes Adidas outdoor são um alívio a absorver o impacto dos pisos irregulares, atenuando as pontadas de ciática, ao mesmo tempo que palmilho milhas e milhas. E são cool, uma espécie de BTT do calçado. Foram uma oferta de quem me pôs a andar (ou me deu com os pés), mas isso é outra história…

E agora vai uma voltinha por aí?

A marca do Leão.

Quando criei este blog nunca tinha passado pela minha cabeça falar de futebol. É um desporto de que gosto mas não sou fanático.

Hoje presto a minha homenagem ao Sporting Clube de Portugal, um clube que há um ano sofreu um inimaginável ataque, provavelmente instigado por uma megalomania doentia que destilava mau senso e exibia um insuportável culto da personalidade.

Quem diria que um ano depois o clube seria capaz de ganhar dois troféus importantes, e isso apenas na sua actividade principal: o futebol.

Mas ganhou! Parabéns SCP!

Dor de cotovelo.

Joelheiras e cotoveleiras (2 pares)

Cotoveleiras e joelheiras Oxelo. São para quem pratica skate e patins, mas para mim irão servir para o btt. Tenho dito!

Tenho mais de 50 anos. Não posso partir mais ossos. Mas ainda tenho vontade de muita adrenalina. Como conciliar isto sem ficar com dor de cotovelo? Encontrei a solução na Decathlon, com um cartão que as minhas amigas e amigos me ofereceram no meu último aniversário.

Encostas acima não são necessários estes artefactos. Mas quando toca a descer é que a porca torce o rabo. Aí tem de valer toda a protecção possível e necessária. Por isso ando sempre de capacete. Já salvou a minha vida! Mas agora tenho de poupar o esqueleto. Daí as protecções para joelhos e para cotovelos. Para não ter dores e muito menos partir mais ossos. Não são as mais apropriadas para btt mas foram as que encontrei. Agora é ir com calma, também para não ficar outra vez entrevado com uma crise de ciática. Já basta!

E agora vai uma descida de downhill?